Pular para o conteúdo principal

STJ agrava seu entendimento quanto à responsabilidade civil objetiva dos bancos .

O Superior Tribunal de Justiça (STJ), nesta quarta-feira (16/07), divulgou o julgamento que condenou uma instituição bancária, de forma solidária, a pagar indenização a um homem que foi baleado enquanto passava em frente à agência bancária, no momento em que acontecia uma tentativa de assalto.
Os empregados da empresa de segurança retiravam os malotes de dinheiro na rua, quando foram surpreendidos por assaltantes. Um tiro atingiu a perna do homem, que, pelas complicações, teve que ser amputada.
Ao analisar o caso, o juízo de primeira instância extinguiu o feito em relação ao banco, por entender que não existia legitimidade passiva. O Tribunal reformou a sentença, condenando o banco de forma solidária com a empresa de segurança. Tanto o banco, quanto à empresa recorreram ao STJ, por meio do Recurso Especial nº 1098236.
A Corte Superior já tinha pacificado o entendimento que os bancos são responsáveis pelos danos oriundos de assaltos dentro das agências e, em seus estacionamentos. Contudo, no caso discutido no julgado em análise, a vítima não estava nas dependências ou extensão da agência, bem como sequer tinha adentrado ao banco. O homem atingido era apenas um transeunte.
A decisão, divulgada hoje, atinge frontalmente o entendimento anterior do Tribunal, uma vez que agrava o entendimento sobre a responsabilidade civil dos bancos,no que diz respeito aos ilícitos penais.
Para entender melhor a decisão do STJ, é necessário tecer alguns comentários sobre a responsabilidade civil no Direito Brasileiro que consiste a reparação de um dano, quando presentes os seus elementos: conduta, nexo causal e dano. O Código Civil classifica o instituto em responsabilidade subjetiva como aquela em que se apura a culpa do aguente (negligência, imprudência e imperícia), e, responsabilidade objetiva, que prescinde da culpa, em determinados casos, adotando a teoria do risco da atividade (o simples fato de o agente exercer a atividade, mesmo que licitamente, expõe os indivíduos ao perigo).
No caso em comento, o banco entendia que não tinha responsabilidade, vez que os elementos da responsabilidade civil não estavam presentes, portanto, seria inexistente o dever de indenizar. Sua alegação parecia seguir a mesma linha de fundamentação do REsp 124962/MG, publicado em 04/02/2013, no qual foi albergado o entendimento que, se o ilícito ocorre em via pública é de responsabilidade do Estado, e não da instituição financeira, o dever de garantir a segurança dos cidadãos e de evitar a atuação dos criminosos.
Sob a relatoria do Ministro Marco Buzzi, a Quarta Turma, por unanimidade, reconheceu a tese da responsabilidade objetiva – teoria do risco da atividade – do banco, argumentando que “os métodos de segurança empregados pela casa bancária deveriam ser mais eficientes, rigorosos e producentes, porquanto expõem, em circunstâncias tais, um número substancialmente maior e impreciso de pessoas aos riscos próprios da atividade que desenvolve, o que robustece sua responsabilidade pelos danos”.
Fundamentado na tese acima explicitada, o acórdão condenou tanto a instituição bancária, quanto à empresa de segurança a indenizar a vítima por danos morais (lesão a um direito de personalidade), danos materiais (aquilo que perdeu ou deixou de ganhar) e danos estéticos (existência de deformação permanente).
http://www.cnf.org.br/noticia/-/blogs/stj-agrava-seu-entendimento-quanto-a-responsabilidade-civil-objetiva-dos-bancos

Contato - WhatsApp 19 996933469
contato@vellasco.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OAB Campinas empossa novo Presidente e Vice-presidente da Comissão de Direito Securitário.

Ricardo Paracêncio e Graziela Vellasco foram convidados para assumir os cargos de Presidente e Vice-presidente, respectivamente, da Comissão do Direito Securitário. Para Ricardo, a experiência será de muita responsabilidade. "Sinto-me muito horando pelo convite feito pela Diretoria da OAB Campinas para à Presidência da Comissão de Direito Securitário. Sei do tamanho do desafio e da responsabilidade, já que faremos parte de uma das maiores e mais antigas subseções do país. A proposta de trabalho no próximo triênio é promover o debate e principalmente o estudo sobre questões securitárias atuais e relevantes, disseminando o seguro não só aos estudiosos do direito. Agradeço ao Presidente Dr. Daniel Blikstein e ao Secretário Geral Dr. Paulo Braga pela oportunidade e confiança."  Para a advogada Graziela, a oportunidade é um excelente desafio profisional. "A minha nomeação para a vice-presidência da Comissão de Direito Securitário foi uma honra imensurável, agradeço ao presid…

Irretroatividade da Lei 13.786/2018 - A lei do Distrato.

A 2ª câmara de Direito Privado do TJ/SP, ao julgar o Recurso de Apelação nº 1012015-48.2018.8.26.0100, assentou em recente decisão que a nova lei do distrato (13.786/18), publicada em dezembro último, deve ser aplicada apenas aos contratos celebrados após a sua vigência, vejamos;

APELAÇÃO. COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA.RESCISÃO CONTRATUAL. RETENÇÃO DE VALORES.Descabimento. Culpa exclusiva da vendedora pela rescisão,ante o atraso na entrega da obra. RESTITUIÇÃO. Devolução integral e imediatados valores pagos. Inteligência da Súmula 543 do C. STJ. Irretroatividade da Lei 13.786/2018, cuja aplicação se restringe aos contratos celebrados após a sua vigência. Observância do ato jurídico perfeito. Sentença mantida. SUCUMBÊNCIA. Fixação de honorários recursais, segundo disposições do art. 85, § 11,CPC/2015. RECURSO NÃO PROVIDO.
A Relatora Rosangela Telles na referida decisão destacou;
“Por oportuno, imperioso esclarecer que, em dezembro de 2018,fora editada a Lei 13.786/2018, alterando disp…

Embriaguez do condutor não afasta dever da seguradora de indenizar terceiro vítima de acidente.

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou recurso da Tokio Marine Seguradora e manteve a indenização a terceiro que teve o caminhão atingido pelo veículo do segurado, conduzido por motorista alcoolizado, na condição de preposto. Condenada solidariamente com o segurado a indenizar o prejuízo material do terceiro, a Tokio Marine requereu que apenas o segurado fosse responsabilizado pela reparação. O colegiado, entretanto, entendeu que o seguro de responsabilidade civil não diz respeito apenas à obrigação de reembolso de indenizações do segurado, mas possui função social no sentido de garantir os direitos da vítima, a qual seria duplamente penalizada com a exclusão da cobertura securitária. Para o ministro Villas Bôas Cueva, relator do processo, “deve ser dotada de ineficácia para terceiros” a cláusula do contrato que exclui da cobertura securitária a hipótese de acidente de trânsito causado por embriaguez do segurado ou da pessoa a quem ele tenha confiado a direção d…