Pular para o conteúdo principal

Artigo: Superior Tribunal de Justiça e suas incoerências.

Recentemente, o Superior Tribunal de Justiça editou a súmula 575, o que me fez refletir sobre as incoerências apresentadas na decisão sobre a perda de direito do seguro com outras duas decisões proferidas por esta Corte, vejamos;
A súmula 575 do STJ estabelece “constitui crime a conduta de permitir, confiar ou entregar a direção de veículo automotor a pessoa que não seja habilitada, ou que se encontre em qualquer das situações previstas no art. 310 do CTB, independentemente da ocorrência de lesão ou de perigo de dano concreto na condução do veículo”.
A súmula foi editada após o julgamento da Reclamação nº 29.063 – RS (2015/0313227-9), no qual o Ministro Nefi Cordeiro destacou o entendimento da corte no sentido “Não se pode, assim, esperar a concretização de danos, ou exigir a demonstração de riscos concretos, a terceiros, para a punição de condutas que, a priori, representam potencial produção de danos a pessoas indeterminadas, que trafeguem ou caminhem no espaço público”.
Elogiável este entendimento do STJ, seguindo o clamor da sociedade na aplicação mais efetiva da lei, punindo o agente pela conduta mesmo que este não cause dano.
Outro entendimento do STJ que já se tornou unânime perante todos os tribunais do país e reafirmando pelo Ministro Paulo de Tarso Sanseverino no julgamento do AgRg no Recurso Especial Nº 1.561.894, “o proprietário do veículo responde objetiva e solidariamente pelos danos decorrentes de acidente de trânsito causado por culpa do condutor.”
O entendimento de solidariedade entre condutor e proprietário do veículo, causador do acidente, é fundamentada no artigo 186 e 927, ambos do Código Civil, onde o proprietário tem o dever de guarda e vigilância do veículo, denominada pela doutrina de dever in vigilando, ensejando, por consequência, o dever de reparar a vítima pelos prejuízos sofridos.
Contudo, diante destes entendimentos, a Corte se contradiz com relação ao entendimento da perda de direito a indenização do seguro quando o condutor, não o segurado, conduz veículo alcoolizado ou embriagado.
O Ministro Raul Araújo destacou no julgamento do Agravo ao Recurso Especial n,º 798.403, que a jurisprudência pacifica do STJ é no sentido de que o acidente por culpa de terceiro por dirigir alcoolizado ou embriagado, não é causa de perda do direito do seguro, por não configurar agravamento de risco imputável ao segurado.
Não causa estranheza? Permitir, confiar ou entregar à direção de veículo automotor a pessoa que não seja habilitada constituí crime, o proprietário do veículo responde objetiva e solidariamente pelos danos decorrentes de acidente de trânsito causado por culpa do condutor. e deixar terceiro alcoolizado/embriagado conduzir o veículo não é causa de perda do direito a indenização do seguro?
Questiono, no presente caso, não se aplica a culpa in vigilando ou o principio de não esperar a concretização de dano, ou demonstração de risco concreto para punição?
A meu ver, esta decisão é totalmente incoerente com as duas primeiras decisões, ou seja, por um lado o rigor da lei, por outro, o paternalismo do judiciário.
Ressalto ainda que, nas condições gerais de qualquer seguradora, as duas situações, deixar pessoa que não seja habilitada ou que esteja sob ação de álcool a conduzir veículo quando da ocorrência do sinistro, constitui perda de direito a indenização.
A decisão é totalmente contraditória e não repercute o anseio da sociedade, destacando que em 2015 o DPVAT indenizou 42500 sinistros de morte.
A perda de direito a indenização do seguro previsto no contrato é uma forma coibir o agravamento de risco, a prática de crime e, consequentemente, reduzir o número de acidentes, além de preservar o principio da boa-fé.
O que se espera é que o STJ reveja esse entendimento e que siga o mesmo ideal das duas primeiras decisões, acolhendo a perda de direito a indenização de seguro quando terceiro dirigir alcoolizado ou embriagado.

Decisões
Reclamação nº 29.063 – RS (2015/0313227-9)
Agravo ao Recurso Especial n,º 798.403
AgRg no Recurso Especial Nº 1.561.894, http://www.viasseguras.com/layout/set/print/os_acidentes/estatisticas/estatisticas_nacio


Artigo escrito por Graziela Vellasco, advogada na área de Direito do Seguro e Responsabilidade Civil.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STJ aprova sumula 405 pacificando o entendimento sobre o prazo prescricional de 3 anos para demanda do seguro DPVAT.

Súmula da Segunda Seção trata do prazo prescricional de 3 anos para pedir a indenização do seguro DPVAT na Justiça Em decisão unânime, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça aprovou mais uma súmula. O verbete de nº 405 trata do prazo para entrar com ação judicial cobrando o DPVAT. A nova súmula recebeu a seguinte redação: A ação de cobrança do seguro obrigatório (DPVAT) prescreve em três anos. No precedente mais recente a embasar a nova súmula, os ministros da Seção concluíram que o DPVAT (seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres) tem caráter de seguro de responsabilidade civil, dessa forma a ação de cobrança de beneficiário da cobertura prescreve em três anos. O relator, ministro Luis Felipe Salomão, votou no sentido que o DPVAT teria finalidade eminentemente social, de garantia de compensação pelos danos pessoais de vítimas de acidentes com veículos automotores. Por isso, diferentemente dos seguros de responsab…

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…