Pular para o conteúdo principal

Tratamento igual aos iguais e desigual aos desiguais.

O advogado tem que ser infalível, não errar nunca.
Se o advogado erra o endereçamento de uma contestação o juiz julga revelia e o Tribunal de Justiça mantem a decisão argumentado que é erro grosseiro.
Não importa se a defesa foi apresentada no prazo legal ou que a Constituição Fedral preserva o direito a ampla defesa do réu, o advogado ERROU, apenas isso.
Agora vejamos se o poder judicário erra.
Entrei com uma ação de reitegração de posse com pedido de liminar. O juiz não deferiu nem indeferiu, apenas determinou a citação dos réus para defesa no prazo de 15 dias, antes de decidir sobre a liminar.
O cartório expediu mandado de citação com reintegração imediata da posse
Infelizmente ou felizmente, não sei dizer, entrei em contato com o oficial de justiça via telefone celular apenas para informa-lo que os réus trabalham próximo ao imóvel e, se não o encontrasse no endereço indicado, poderia econtrá-los no comércio ao lado.
O oficial de justiça me informou que estava aguardando para cumprir a ordem, pois precisaria de reforço policial.
Questionei o motivo sendo que a liminar não tinha sido deferida. Conclusão.
O ofical entrou em contato com o cartório e devolveu o mandado.O cartório reconheceu o erro por certidão e juiz pediu a conclusão.
Com esse equivoco, não erro, porque o Judiciário não erra, lá se vão 3 meses e a minha cliente precisa do imóvel para morar.
A minha cliente, pessoa honesta, trabalhadora e digna, sempre acreditou na Justiça, mas agora se vê diante desta situação, o que a tornou totalmente incrédula com o Poder Judiciário.
Pergunto, entre advogado e poder judiciário, existe principio da isonomia ?

Graziela Vellasco

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STJ aprova sumula 405 pacificando o entendimento sobre o prazo prescricional de 3 anos para demanda do seguro DPVAT.

Súmula da Segunda Seção trata do prazo prescricional de 3 anos para pedir a indenização do seguro DPVAT na Justiça Em decisão unânime, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça aprovou mais uma súmula. O verbete de nº 405 trata do prazo para entrar com ação judicial cobrando o DPVAT. A nova súmula recebeu a seguinte redação: A ação de cobrança do seguro obrigatório (DPVAT) prescreve em três anos. No precedente mais recente a embasar a nova súmula, os ministros da Seção concluíram que o DPVAT (seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres) tem caráter de seguro de responsabilidade civil, dessa forma a ação de cobrança de beneficiário da cobertura prescreve em três anos. O relator, ministro Luis Felipe Salomão, votou no sentido que o DPVAT teria finalidade eminentemente social, de garantia de compensação pelos danos pessoais de vítimas de acidentes com veículos automotores. Por isso, diferentemente dos seguros de responsab…

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…