Pular para o conteúdo principal

Tratamento igual aos iguais e desigual aos desiguais.

O advogado tem que ser infalível, não errar nunca.
Se o advogado erra o endereçamento de uma contestação o juiz julga revelia e o Tribunal de Justiça mantem a decisão argumentado que é erro grosseiro.
Não importa se a defesa foi apresentada no prazo legal ou que a Constituição Fedral preserva o direito a ampla defesa do réu, o advogado ERROU, apenas isso.
Agora vejamos se o poder judicário erra.
Entrei com uma ação de reitegração de posse com pedido de liminar. O juiz não deferiu nem indeferiu, apenas determinou a citação dos réus para defesa no prazo de 15 dias, antes de decidir sobre a liminar.
O cartório expediu mandado de citação com reintegração imediata da posse
Infelizmente ou felizmente, não sei dizer, entrei em contato com o oficial de justiça via telefone celular apenas para informa-lo que os réus trabalham próximo ao imóvel e, se não o encontrasse no endereço indicado, poderia econtrá-los no comércio ao lado.
O oficial de justiça me informou que estava aguardando para cumprir a ordem, pois precisaria de reforço policial.
Questionei o motivo sendo que a liminar não tinha sido deferida. Conclusão.
O ofical entrou em contato com o cartório e devolveu o mandado.O cartório reconheceu o erro por certidão e juiz pediu a conclusão.
Com esse equivoco, não erro, porque o Judiciário não erra, lá se vão 3 meses e a minha cliente precisa do imóvel para morar.
A minha cliente, pessoa honesta, trabalhadora e digna, sempre acreditou na Justiça, mas agora se vê diante desta situação, o que a tornou totalmente incrédula com o Poder Judiciário.
Pergunto, entre advogado e poder judiciário, existe principio da isonomia ?

Graziela Vellasco

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STJ aprova sumula 405 pacificando o entendimento sobre o prazo prescricional de 3 anos para demanda do seguro DPVAT.

Súmula da Segunda Seção trata do prazo prescricional de 3 anos para pedir a indenização do seguro DPVAT na Justiça Em decisão unânime, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça aprovou mais uma súmula. O verbete de nº 405 trata do prazo para entrar com ação judicial cobrando o DPVAT. A nova súmula recebeu a seguinte redação: A ação de cobrança do seguro obrigatório (DPVAT) prescreve em três anos. No precedente mais recente a embasar a nova súmula, os ministros da Seção concluíram que o DPVAT (seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres) tem caráter de seguro de responsabilidade civil, dessa forma a ação de cobrança de beneficiário da cobertura prescreve em três anos. O relator, ministro Luis Felipe Salomão, votou no sentido que o DPVAT teria finalidade eminentemente social, de garantia de compensação pelos danos pessoais de vítimas de acidentes com veículos automotores. Por isso, diferentemente dos seguros de responsab…

Confirmada validade de penhora de salário para pagamento de aluguéis atrasados.

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu manter decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que determinou a penhora de dez por cento do salário do locatário para pagamento de aluguéis atrasados há mais de uma década e respectivos encargos. A decisão foi unânime. Após a decisão judicial que determinou a penhora de parte de seu salário, o locatário defendeu por meio de recurso especial a impossibilidade de penhora do salário para o pagamento de verba de natureza não alimentar. Segundo o recorrente, o bloqueio de parte de sua fonte de renda compromete sua existência e de sua família, já que sua remuneração é essencial para a manutenção da unidade familiar. A ministra relatora, Nancy Andrighi, confirmou inicialmente que a garantia da impenhorabilidade de rendimentos constitui uma limitação aos meios executivos que garantem o direito do credor, fundada na necessidade de se preservar o patrimônio indispensável à vida digna do devedor. Vertentes da dignidade Ent…

Segunda Seção aprova súmula sobre indenização securitária.

A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) aprovou uma nova súmula no campo do direito privado.

Os enunciados sumulares são o resumo de entendimentos consolidados nos julgamentos do tribunal e servem de orientação a toda a comunidade jurídica sobre a sua jurisprudência.

Súmula 616: “A indenização securitária é devida quando ausente a comunicação prévia do segurado acerca do atraso no pagamento do prêmio, por constituir requisito essencial para a suspensão ou resolução do contrato de seguro.”

A súmula será publicada no Diário da Justiça Eletrônico, por três vezes, em datas próximas, nos termos do artigo 123 do Regimento Interno do STJ.
Fonte:http://www.stj.jus.br/