Pular para o conteúdo principal

Trânsito: indenização cresceu 39% em 2012.


O seguro obrigatório DPVAT pagou, em 2012, 507.915 indenizações a vítimas de acidente de trânsito no País - aumento de 39% ante 2011. O volume de indenizações pagas no ano passado foi de R$ 2,84 bilhões, informou ontem a Seguradora Líder, administradora do DPVAT. O crescimento do número de indenizações superou o aumento da frota no País, que em 2012 foi de 7,9% em relação ao ano anterior.

Em 69% das indenizações pagas no ano passado, a vítima do acidente de trânsito sofreu invalidez permanente (352.495 casos, aumento de 47% em relação a 2011). O DPVAT também pagou indenizações por 60.752 mortes (aumento de 5%) e 94.668 reembolsos de despesas com assistência médica e suplementares por lesões de menor gravidade (aumento de 38%).

O perfil das vítimas se mantém o mesmo ao longo dos anos. Ano passado, a maioria (40,97%) foi de homens entre 18 e 34 anos. Mais uma vez as motos lideram o ranking de indenizações em 2012, com 69% dos casos (embora representem 27% da frota). Os automóveis, que correspondem a 60% da frota, foram os responsáveis por 25% das indenizações pagas no ano passado. Caminhões ficaram com 4% e ônibus (ou micro-ônibus) com 2% das indenizações pagas.

Motos. Por região, o Nordeste passou o Sul e recebeu a maior quantidade de indenizações: 29%. Desses, 65% dos casos envolviam acidentes com motos e 29%, automóveis. O Sul ficou em segundo, com 28% das indenizações, seguido por Sudeste (25%), Norte (10%) e Centro-Oeste (8%).

"A quantidade de indenizações pagas a vítimas de acidente com motos cresce ano a ano. Há alta frequência de pequenos acidentes com este tipo de veículo, o que sempre gera lesões", observou Ricardo Xavier, presidente da Seguradora Líder. "Com a melhoria da renda e facilidade de crédito, houve crescimento vertiginoso de motos de baixa cilindrada, principalmente no Nordeste. É preciso conscientizar as pessoas do risco que a moto representa. E infelizmente, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) não usa todos os recursos repassados pelo DPVAT para campanhas de educação no trânsito."

Em 2012, o seguro DPVAT arrecadou R$ 7,14 bilhões. Desses, 50% são repassados obrigatoriamente ao governo para serem empregados no SUS e Denatran.

Para Dirceu Rodrigues Alves, diretor da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, os acidentes de trânsito no Brasil são uma "doença epidêmica generalizada": "Para se ter uma ideia, 596 pessoas morreram de dengue no País em 2010. No mesmo ano, morreram 42.844 em acidentes de trânsito, 10.894 motociclistas. Gasta-se uma fábula de dinheiro para combater a dengue, o que é correto, mas o governo está esquecendo o trânsito. Não vemos ações drásticas para debelar essa doença."

Como soluções de curto prazo para reduzir os acidentes de trânsito, Alves defende que as autoescolas sejam obrigadas a ter simuladores para treinamento de candidatos a motociclistas, adoção de faixas nas vias para separar veículos leves dos pesados, exame periódico anual de motoristas (hoje é feito a cada cinco anos), além do reforço na fiscalização e punição de infratores.

MARCELO GOMES - RIO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…

Contrato de Seguro e o CDC.

Importante dizer que o contrato de seguro é um contrato típico e regulado pelo Código Civil, artigos 757 a 802.  Contudo, o contrato de seguro está sob a égide do Código de Defesa do Consumidor, de acordo com o artigo 3º § 2°, onde diz "serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária..." Assim, não temos dúvida de que o segurado está amparado pelo Código de Defesa do Consumidor, mas é importante dizer que o segurado é obrigado a mais estrita boa-fé na contratação do seguro, tanto na fase pré-contratual (proposta) como na fase contratual.  Sabe porque ?  A seguradora com base nas informações prestadas pelo segurado vai avaliar o risco, estabelecer a taxação do prêmio e emitir a apólice de seguro com determinadas coberturas e, eventualmente, determinadas exclusões de risco.  Importante ressaltar que a seguradora recebendo a proposta e avaliando o risco, ela pode se negar a fa…