Pular para o conteúdo principal

Trânsito: indenização cresceu 39% em 2012.


O seguro obrigatório DPVAT pagou, em 2012, 507.915 indenizações a vítimas de acidente de trânsito no País - aumento de 39% ante 2011. O volume de indenizações pagas no ano passado foi de R$ 2,84 bilhões, informou ontem a Seguradora Líder, administradora do DPVAT. O crescimento do número de indenizações superou o aumento da frota no País, que em 2012 foi de 7,9% em relação ao ano anterior.

Em 69% das indenizações pagas no ano passado, a vítima do acidente de trânsito sofreu invalidez permanente (352.495 casos, aumento de 47% em relação a 2011). O DPVAT também pagou indenizações por 60.752 mortes (aumento de 5%) e 94.668 reembolsos de despesas com assistência médica e suplementares por lesões de menor gravidade (aumento de 38%).

O perfil das vítimas se mantém o mesmo ao longo dos anos. Ano passado, a maioria (40,97%) foi de homens entre 18 e 34 anos. Mais uma vez as motos lideram o ranking de indenizações em 2012, com 69% dos casos (embora representem 27% da frota). Os automóveis, que correspondem a 60% da frota, foram os responsáveis por 25% das indenizações pagas no ano passado. Caminhões ficaram com 4% e ônibus (ou micro-ônibus) com 2% das indenizações pagas.

Motos. Por região, o Nordeste passou o Sul e recebeu a maior quantidade de indenizações: 29%. Desses, 65% dos casos envolviam acidentes com motos e 29%, automóveis. O Sul ficou em segundo, com 28% das indenizações, seguido por Sudeste (25%), Norte (10%) e Centro-Oeste (8%).

"A quantidade de indenizações pagas a vítimas de acidente com motos cresce ano a ano. Há alta frequência de pequenos acidentes com este tipo de veículo, o que sempre gera lesões", observou Ricardo Xavier, presidente da Seguradora Líder. "Com a melhoria da renda e facilidade de crédito, houve crescimento vertiginoso de motos de baixa cilindrada, principalmente no Nordeste. É preciso conscientizar as pessoas do risco que a moto representa. E infelizmente, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) não usa todos os recursos repassados pelo DPVAT para campanhas de educação no trânsito."

Em 2012, o seguro DPVAT arrecadou R$ 7,14 bilhões. Desses, 50% são repassados obrigatoriamente ao governo para serem empregados no SUS e Denatran.

Para Dirceu Rodrigues Alves, diretor da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, os acidentes de trânsito no Brasil são uma "doença epidêmica generalizada": "Para se ter uma ideia, 596 pessoas morreram de dengue no País em 2010. No mesmo ano, morreram 42.844 em acidentes de trânsito, 10.894 motociclistas. Gasta-se uma fábula de dinheiro para combater a dengue, o que é correto, mas o governo está esquecendo o trânsito. Não vemos ações drásticas para debelar essa doença."

Como soluções de curto prazo para reduzir os acidentes de trânsito, Alves defende que as autoescolas sejam obrigadas a ter simuladores para treinamento de candidatos a motociclistas, adoção de faixas nas vias para separar veículos leves dos pesados, exame periódico anual de motoristas (hoje é feito a cada cinco anos), além do reforço na fiscalização e punição de infratores.

MARCELO GOMES - RIO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STJ aprova sumula 405 pacificando o entendimento sobre o prazo prescricional de 3 anos para demanda do seguro DPVAT.

Súmula da Segunda Seção trata do prazo prescricional de 3 anos para pedir a indenização do seguro DPVAT na Justiça Em decisão unânime, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça aprovou mais uma súmula. O verbete de nº 405 trata do prazo para entrar com ação judicial cobrando o DPVAT. A nova súmula recebeu a seguinte redação: A ação de cobrança do seguro obrigatório (DPVAT) prescreve em três anos. No precedente mais recente a embasar a nova súmula, os ministros da Seção concluíram que o DPVAT (seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres) tem caráter de seguro de responsabilidade civil, dessa forma a ação de cobrança de beneficiário da cobertura prescreve em três anos. O relator, ministro Luis Felipe Salomão, votou no sentido que o DPVAT teria finalidade eminentemente social, de garantia de compensação pelos danos pessoais de vítimas de acidentes com veículos automotores. Por isso, diferentemente dos seguros de responsab…

Confirmada validade de penhora de salário para pagamento de aluguéis atrasados.

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu manter decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que determinou a penhora de dez por cento do salário do locatário para pagamento de aluguéis atrasados há mais de uma década e respectivos encargos. A decisão foi unânime. Após a decisão judicial que determinou a penhora de parte de seu salário, o locatário defendeu por meio de recurso especial a impossibilidade de penhora do salário para o pagamento de verba de natureza não alimentar. Segundo o recorrente, o bloqueio de parte de sua fonte de renda compromete sua existência e de sua família, já que sua remuneração é essencial para a manutenção da unidade familiar. A ministra relatora, Nancy Andrighi, confirmou inicialmente que a garantia da impenhorabilidade de rendimentos constitui uma limitação aos meios executivos que garantem o direito do credor, fundada na necessidade de se preservar o patrimônio indispensável à vida digna do devedor. Vertentes da dignidade Ent…

Segunda Seção aprova súmula sobre indenização securitária.

A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) aprovou uma nova súmula no campo do direito privado.

Os enunciados sumulares são o resumo de entendimentos consolidados nos julgamentos do tribunal e servem de orientação a toda a comunidade jurídica sobre a sua jurisprudência.

Súmula 616: “A indenização securitária é devida quando ausente a comunicação prévia do segurado acerca do atraso no pagamento do prêmio, por constituir requisito essencial para a suspensão ou resolução do contrato de seguro.”

A súmula será publicada no Diário da Justiça Eletrônico, por três vezes, em datas próximas, nos termos do artigo 123 do Regimento Interno do STJ.
Fonte:http://www.stj.jus.br/