Pular para o conteúdo principal

Sentença – Colisão traseira – veículo parado sem sinalização.

 Proc. nº 923/05 VISTOS. Z. LTDA propôs ação de indenização por danos materiais em face de M. B. N., sustentando, em síntese, que no dia 11 de maio de 2005, o ônibus de propriedade da Autora apresentou problemas mecânicos, o que levou o motorista do veículo a parar o automóvel. Entretanto, em ato contínuo, o ônibus foi colhido pelo automóvel pertencente ao Réu, que transitava em velocidade incompatível com o local. Assim, pretendeu a condenação do Réu ao pagamento da quantia de R$ 6.010,00 decorrente do tempo no qual o ônibus ficou paralisado para conserto. O Réu regularmente citado apresentou contestação, imputando a culpa pelo acidente ao motorista do ônibus. Ofertada réplica. O feito foi saneado e realizada audiência de instrução com a oitiva de duas testemunhas indicadas pela Autora e posteriormente a oitiva por precatória de duas testemunhas indicadas pelo Réu. É o breve relatório. Fundamento e decido. A pretensão inicial é improcedente. Restou devidamente comprovado pela prova oral de que no dia 11 de maio de 2005, o motorista do ônibus pertencente a Autora parou o automóvel próximo a uma curva, num local de parca iluminação e ainda entre a calçada e a pista de rodagem. Da mesma forma, foi evidenciado que o Réu transitava em velocidade compatível pelo local, tanto que conforme restou incontroverso, havia diversos radares eletrônicos de velocidade. Inclusive, não há qualquer indicativo de que realmente foram adotadas todas as cautelas para que veículos que transitavam logo atrás do ônibus, pudessem, a distancia, facilmente perceber que o veículo estava parado em via pública, ônus atribuído a autora nos termos do art. 330, inciso I do Código de Processo Civil. Ressalte-se ainda que segundo o próprio motorista do ônibus, “o motor do ônibus estava falhando e por essa razão parou na avenida para ver se conseguia mexer na entrada de ar do veículo” (fls. 88), porém, segundo a testemunha ouvida a fls. 89, havia um posto de gasolina há aproximadamente duzentos metros do local. Pelas declarações das testemunhas, extrai-se a conclusão de que seria possível ao motorista deslocar-se com o ônibus até posto de gasolina mais próximo, pois o motor apenas “falhava”, evitando assim eventual acidente. Ademais, tratava-se de um trajeto conhecido pelo motorista, pois era adotado diariamente pelo mesmo, pois segundo consta da inicial, os passageiros tinham acabado de chegar ao seu destino e o veículo deslocava-se para a sede quando o acidente ocorreu (fls. 03). Assim, conclui-se que houve culpa exclusiva do motorista do ônibus pertencente a Autora e não do Réu, ainda que a colisão tenha atingido a parte traseira do primeiro automóvel. Ante ao exposto, julgo IMPROCEDENTE a pretensão formulada por Z.Z. LTDA em face de M. B. N.S e diante do princípio da sucumbência, condeno a Autora no pagamento das custas, das despesas processuais e honorários advocatícios que arbitro em 15% do valor da causa. P.R.I.C. São Bernardo do Campo, 11 de agosto de 2006).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Devolução de imóvel comprado na planta: conheça seus direitos!.

A dificuldade financeira é o principal motivo que leva compradores a quererem devolver um imóvel adquirido ainda na planta. Com a instabilidade econômica do País, muitas pessoas perderam o emprego e, consequentemente, a renda para arcar com as parcelas de um financiamento de imóvel. Atualmente, de acordo com o Jusbrasil, aproximadamente 30% das vendas que são feitas, em menos de 1 ano, acabam por serem objeto de devolução. A relação entre as partes, comprador do imóvel e construtora, está sujeita às regras do Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/98). De acordo com a lei, o interesse em devolver o imóvel para a construtora deve ser manifestado até a entrega das chaves e o consumidor tem direito à resilição do contrato e a restituição das quantias pagas na porcentagem de 90%. No entanto, muitas construtoras não praticam o que determina a lei e se recusam a devolver este valor, que é um direito do consumidor. Algumas oferecem a devolução de apenas uma parte do valor pago pelo imóvel.…

STJ aprova sumula 405 pacificando o entendimento sobre o prazo prescricional de 3 anos para demanda do seguro DPVAT.

Súmula da Segunda Seção trata do prazo prescricional de 3 anos para pedir a indenização do seguro DPVAT na Justiça Em decisão unânime, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça aprovou mais uma súmula. O verbete de nº 405 trata do prazo para entrar com ação judicial cobrando o DPVAT. A nova súmula recebeu a seguinte redação: A ação de cobrança do seguro obrigatório (DPVAT) prescreve em três anos. No precedente mais recente a embasar a nova súmula, os ministros da Seção concluíram que o DPVAT (seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres) tem caráter de seguro de responsabilidade civil, dessa forma a ação de cobrança de beneficiário da cobertura prescreve em três anos. O relator, ministro Luis Felipe Salomão, votou no sentido que o DPVAT teria finalidade eminentemente social, de garantia de compensação pelos danos pessoais de vítimas de acidentes com veículos automotores. Por isso, diferentemente dos seguros de responsab…

Comemore o Dia do Consumidor, aproveite as promoções, mas fique de olho!

Desconfie de preços abaixo dos praticados no mercado e, antes de comprar, faça uma busca de reputação da empresa em sites de reclamações

*Por Graziela Vellasco

Em 15 de março é celebrado mundialmente o dia do consumidor e inúmeras ofertas já se iniciaram na televisão e internet, mas, antes de sai aproveitando as promoções é preciso ter cuidado, principalmente nas compras em lojas virtuais! No universo online essa atenção deve ser redobrada, pois fraudes virtuais são comuns e o consumidor precisa estar atento. Mesmo que as ofertas para compras online sejam veiculadas por grandes redes televisivas, isso não deve ser interpretado como sinônimo de garantia. As emissoras não são responsáveis pelos anúncios. Por isso, antes de comprar em lojas virtuais é importante observar alguns requisitos importantes. A Lei 7.962/13, determina que os sites disponibilizem em destaque e de fácil visualização o nome empresarial, o CNPJ e inscrição estadual,endereço físico e eletrônico e demais informações neces…