Pular para o conteúdo principal

Motorista ainda teme a Lei Seca.


Nas primeiras blitze após a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) – de que só é possível processar criminalmente o motorista se houver comprovação, pelo bafômetro ou exame de sangue, de que ele dirigia embriagado – o motorista de São Paulo demonstrou não ter sentido que a lei foi afrouxada. Dos 6.527 condutores submetidos ao teste, entre quinta (26) e domingo (1º), só 29 se recusaram a passar pelo exame. O índice de recusas ficou em 0,4%, mesma média observada em blitze anteriores à decisão, segundo o capitão Sergio Marques, porta-voz da PM. 
“Não causou surpresa porque nós continuamos realizando a operação normalmente”, disse o capitão, em relação ao índice. Para o oficial, a decisão do STJ passa a valer mesmo na fase “processual”. “Na área de inquérito, estamos agindo como antes. Motoristas continuarão sendo levados à delegacia”, explicou o policial. 

Nas blitze realizadas na última semana, 43 motoristas foram levados para distritos policiais por apresentarem mais de 0,34 miligrama de álcool por litro de ar expelido pelos pulmões. Além desse registro, 332 pessoas foram multadas pela PM por apresentarem entre 0,14 e 0,33 mg de álcool por litro de ar expelido e serão punidas administrativamente. A multa, neste caso, é de R$ 957, e a CNH fica suspensa por um ano. 

Páscoa 
Durante o feriado de Páscoa a fiscalização será bem mais apertada. Pelo menos nas ruas da capital, onde os bloqueios com bafômetro terão aumento de 30%. A ação já começa amanhã. 

Ontem, o governador Geraldo Alckmin reforçou que a decisão do STJ não torna menos rígida a fiscalização da Lei Seca. “Não alterou em nada. Se a pessoa não quiser fazer o bafômetro, ela será levada à delegacia.” 

CAMILLA HADDAD

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STJ aprova sumula 405 pacificando o entendimento sobre o prazo prescricional de 3 anos para demanda do seguro DPVAT.

Súmula da Segunda Seção trata do prazo prescricional de 3 anos para pedir a indenização do seguro DPVAT na Justiça Em decisão unânime, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça aprovou mais uma súmula. O verbete de nº 405 trata do prazo para entrar com ação judicial cobrando o DPVAT. A nova súmula recebeu a seguinte redação: A ação de cobrança do seguro obrigatório (DPVAT) prescreve em três anos. No precedente mais recente a embasar a nova súmula, os ministros da Seção concluíram que o DPVAT (seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres) tem caráter de seguro de responsabilidade civil, dessa forma a ação de cobrança de beneficiário da cobertura prescreve em três anos. O relator, ministro Luis Felipe Salomão, votou no sentido que o DPVAT teria finalidade eminentemente social, de garantia de compensação pelos danos pessoais de vítimas de acidentes com veículos automotores. Por isso, diferentemente dos seguros de responsab…

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…