Pular para o conteúdo principal

Lei Seca: blitz reforçada mesmo com decisão do STJ.


As blitze da Lei Seca serão reforçadas no feriado da Páscoa na capital, com um aumento de 30% na montagem de bloqueios. A rigidez na fiscalização será mantida, mesmo após a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), de que só é possível processar criminalmente o motorista se houver comprovação de que ele dirigia tendo concentração de álcool no sangue superior a 0,6 grama por litro. Isso só pode ser feito com os exames previstos na lei – bafômetro e exame de sangue.

As operações contra quem insiste em beber e dirigir têm sido intensificadas desde o início do ano. De 1º de janeiro a 26 de março, 56.593 pessoas foram submetidas ao teste do bafômetro. Em igual período de 2011, foram 14.232 – aumento de quase 300%.

O major Joselito Sarmento de Oliveira Junior, do Comando de Policiamento de Trânsito da Capital (CPTran), responsável pela maioria das blitze em São Paulo, explica que o sistema “drive thru”, em que o motorista nem precisa estacionar o carro para soprar, tem agilizado os bloqueios. “Isso foi fundamental para aumentar o número de pessoas submetidas ao teste”, diz o oficial.

Segundo ele, o setor de inteligência também tem feito estudos sobre locais com mais incidência de casos para que a fiscalização permaneça nesses pontos. Regiões próximas a bares, restaurantes e casas noturnas continuam sendo o alvo principal, mesmo durante a Páscoa. Estão na mira bairros como Vila Madalena e Pinheiros, na zona oeste; Vila Olímpia e Itaim-Bibi, na zona sul; Tatuapé, na zona leste, e Santana, na zona norte.

No feriado prolongado, a polícia vai contar com o reforço, nas ruas, de parte do efetivo que trabalha no setor administrativo. As blitze começarão na noite de quarta-feira e irão até domingo.

Apesar de negar que exista uma “escolha” na hora de parar possíveis infratores, a PM explica que os homens ainda são os mais requisitados, respondendo por 76,6% dos avaliados. Já em relação aos motoristas flagrados dirigindo alcoolizados, para cada 10 multas aplicadas, 7 são sobre homens, de acordo com boletins de ocorrência da capital.

A CPTran possui, além dos bafômetros tradicionais, 86 equipamentos “passivos”, que detectam se o condutor bebeu, sem que ele precise assoprar um canudo. No entanto, o aparelho também não consegue fazer a medição sem que o motorista assopre.

Os avisos com endereços de blitze publicados no Twitter da Lei Seca são monitorados pela polícia, que eventualmente faz mudanças nos locais de fiscalização.

Na próxima semana, as operações irão atingir a marca de meio milhão de pessoas abordadas na capital. Segundo o capitão Sergio Marques, porta voz da PM, o dado se refere ao período que vai de 2009 – quando os bloqueios ganharam força – até agora.

CAMILLA HADDAD

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STJ aprova sumula 405 pacificando o entendimento sobre o prazo prescricional de 3 anos para demanda do seguro DPVAT.

Súmula da Segunda Seção trata do prazo prescricional de 3 anos para pedir a indenização do seguro DPVAT na Justiça Em decisão unânime, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça aprovou mais uma súmula. O verbete de nº 405 trata do prazo para entrar com ação judicial cobrando o DPVAT. A nova súmula recebeu a seguinte redação: A ação de cobrança do seguro obrigatório (DPVAT) prescreve em três anos. No precedente mais recente a embasar a nova súmula, os ministros da Seção concluíram que o DPVAT (seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres) tem caráter de seguro de responsabilidade civil, dessa forma a ação de cobrança de beneficiário da cobertura prescreve em três anos. O relator, ministro Luis Felipe Salomão, votou no sentido que o DPVAT teria finalidade eminentemente social, de garantia de compensação pelos danos pessoais de vítimas de acidentes com veículos automotores. Por isso, diferentemente dos seguros de responsab…

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…