Pular para o conteúdo principal

Seguradora Líder divulga estatísticas do seguro DVPAT em 2011 - 23/01/2012.

No ano de 2011, 366.356 pessoas receberam o seguro DPVAT no Brasil, totalizando mais de R$ 2,287 bilhões pagos. Criado em 1974 para indenizar vítimas de acidentes de trânsito em casos de morte, invalidez permanente e reembolso de despesas médicas, o seguro bateu recorde de indenizações pagas este ano, registrando um aumento de 45% em relação a 2010.

De acordo com a seguradora Líder DPVAT, administradora do seguro, chama atenção o fato de mais de 51% dos acidentados terem entre 18 e 34 anos, faixa etária em que se concentra a maior parte da população economicamente ativa do País. Outro cenário preocupante é o crescimento de 58% dos casos de invalidez permanente em relação ao ano anterior. Em 2011, foram pagas, ao todo, 239.738 indenizações por esse tipo de dano.

“Temos trabalhado para que cada vez mais cidadãos tenham acesso ao seguro DPVAT. Por isso, estamos investindo em divulgação e na abertura de novos pontos de atendimento, principalmente através de parceiros. Só em 2011, o sistema ganhou 900 novos pontos de atendimento oficiais. Além disso, a imprudência no trânsito, como a combinação de álcool e direção, alta velocidade e a falta do uso do cinto de segurança nas estradas, tem causado acidentes cada vez mais graves”, aponta o diretor-presidente da seguradora, Ricardo Xavier.

As estatísticas apontam também que 58.134 pessoas receberam indenização por morte no período e outros 68.484 cidadãos receberam reembolso de despesas médicas em 2011. Levando em conta que os acidentados têm um prazo de três anos para solicitar o benefício do seguro DPVAT, a seguradora acredita que esses números ainda podem aumentar.



O levantamento mostra ainda que, em 77% dos casos envolvendo todas as categorias de veículo e diversos tipos dano, a vítima é homem, sendo, na maioria das vezes, o próprio motorista. Considerando as indenizações pagas por região, o Sudeste registrou o maior número de casos de acidentes de trânsito que causaram morte. Ao todo, 38% das indenizações resultantes de ocorrências fatais foram destinadas a vítimas da região. Já no Nordeste, estão concentrados 30% dos casos de indenização por invalidez permanente e, no Sul, o maior número de reembolsos por despesas médicas, chegando a 43%.

Para saber mais detalhes sobre o funcionamento do seguro DPVAT e como proceder para solicitar a indenização às vítimas de acidentes de trânsito, acesse o site Tudo Sobre Seguros (www.tudosobreseguros.org.br) e tire suas dúvidas com o especialista de plantão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…

Contrato de Seguro e o CDC.

Importante dizer que o contrato de seguro é um contrato típico e regulado pelo Código Civil, artigos 757 a 802.  Contudo, o contrato de seguro está sob a égide do Código de Defesa do Consumidor, de acordo com o artigo 3º § 2°, onde diz "serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária..." Assim, não temos dúvida de que o segurado está amparado pelo Código de Defesa do Consumidor, mas é importante dizer que o segurado é obrigado a mais estrita boa-fé na contratação do seguro, tanto na fase pré-contratual (proposta) como na fase contratual.  Sabe porque ?  A seguradora com base nas informações prestadas pelo segurado vai avaliar o risco, estabelecer a taxação do prêmio e emitir a apólice de seguro com determinadas coberturas e, eventualmente, determinadas exclusões de risco.  Importante ressaltar que a seguradora recebendo a proposta e avaliando o risco, ela pode se negar a fa…