Pular para o conteúdo principal

SENTENÇA - COLISÃO TRASEIRA

Poder Judiciário Estado de São Paulo 36ª Vara Cível Central da Comarca da Capital Autos nº 2010.201461-0 VISTOS CET move ação indenizatória contra O. R. e J. T. R, alegando que o primeiro réu lhe causou prejuízos em razão de acidente automobilístico. Alega que seu preposto conduzia uma de suas viaturas, quando foi atingido pelo veículo da segunda ré, conduzido pelo primeiro réu, que executava manobra de marcha-ré para ingressar em oficina mecânica. Em contestação, os réus alegaram que foi o preposto da autora o responsável pelo acidente, já que o réu havia sinalizado, indicando que entraria em oficina mecânica, porém o sinal foi ignorado pelo condutor da viatura. Houve réplica. Saneado o feito, colheu-se prova oral em audiência. É o relatório do essencial. Fundamento e decido. O processo está pronto para julgamento, sendo desnecessárias outras provas. É cediço haver presunção relativa de culpa do condutor do veículo que colide com a traseira de outro veículo. Isso porque é dever do primeiro manter distância segura do veículo da frente, desenvolver velocidade compatível com o local e com o tráfego e, ainda, ficar atento à corrente do tráfego. É o que dispõe o art. 29, inciso II, do Código de Trânsito Brasileiro. No caso vertente, a viatura da CET colidiu com a traseira do veículo dos réus, cabendo à autora elidir a presunção relativa de culpa. Desse ônus, a autora não se desincumbiu. Isso porque a única pessoa que trouxe para ser ouvida em audiência foi o preposto envolvido no acidente, tratando-se de pessoa interessada na solução da controvérsia, diante das conseqüências jurídicas que podem advir em caso de decisão desfavorável. Assim, apenas foram colhidas declarações de pessoas não compromissadas, interessadas na solução da controvérsia e cada qual mantendo a versão que constou, respectivamente, das peças postulatórias das partes. O réu afirmou que “deu seta” antes de iniciar manobra para entrar na oficina. O preposto da ré, por outro lado, disse que não observou nenhuma sinalização que indicasse intenção do condutor da frente de dar marcha-ré ou entrar à direita. O que há, portanto, são dois depoimentos confrontantes, não havendo prova nos autos que demonstre, inequivocamente, a culpa do réu. Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido autoral, extinguindo o processo com fundamento no art. 269, inciso I, do CPC. ... São Paulo, 1 de julho de 2011.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…

Contrato de Seguro e o CDC.

Importante dizer que o contrato de seguro é um contrato típico e regulado pelo Código Civil, artigos 757 a 802.  Contudo, o contrato de seguro está sob a égide do Código de Defesa do Consumidor, de acordo com o artigo 3º § 2°, onde diz "serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária..." Assim, não temos dúvida de que o segurado está amparado pelo Código de Defesa do Consumidor, mas é importante dizer que o segurado é obrigado a mais estrita boa-fé na contratação do seguro, tanto na fase pré-contratual (proposta) como na fase contratual.  Sabe porque ?  A seguradora com base nas informações prestadas pelo segurado vai avaliar o risco, estabelecer a taxação do prêmio e emitir a apólice de seguro com determinadas coberturas e, eventualmente, determinadas exclusões de risco.  Importante ressaltar que a seguradora recebendo a proposta e avaliando o risco, ela pode se negar a fa…