Pular para o conteúdo principal

Motorista que capotou carro tem negado pedido de indenização.

O capotamento de um veículo após ultrapassagem em trecho da rodovia Anhanguera sem ‘guard rail’ não gerou indenização ao motorista. Esse foi o entendimento da 2ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento realizado nessa terça-feira (28).

De acordo com o pedido, André Luiz Pinheiro de Carvalho propôs ação de indenização por danos morais e materiais contra a Via Norte, concessionária que administra a rodovia, porque, em abril de 2003, trafegava pelo 387 km quando, ao ser ultrapassado, teve seu veículo fechado, obrigando-o a realizar manobra que resultou no capotamento. No acidente, todos os passageiros foram projetados fora do carro.

Sob alegação de conduzir o veículo em velocidade compatível ao local do acidente, pleiteou a indenização, atribuindo a culpa à empresa, uma vez que, segundo ele, a existência de ‘guard rail’ no local evitaria dano maior.

De acordo com o juiz Alexandre Semedo de Oliveira, da 1ª Vara Judicial da Comarca de São Joaquim da Barra, o pedido não procede. “A prova dos autos não demonstra a necessidade de tal aparato (guard rail) no local do acidente. A bem da verdade, percebe-se que a pista no local é dotada de grande área de escape. Assim, não é crível que, caso o autor estivesse em velocidade compatível com o local (60 km/h), viesse ele a perder o controle de seu veículo com a capotagem”, fundamentou o magistrado.

Ainda segundo a sentença, a dinâmica do acidente leva à presunção que o motorista trafegava acima do limite permitido e que cabia a ele provar o contrário. “Não a provando, a presunção se mantém firme, impondo a conclusão de que o acidente ocorreu por imprudência do próprio autor e não por ausência de ‘defensas’ no local.” Com base nessas considerações, o magistrado julgou improcedente o pedido e extinguiu o feito com resolução de mérito nos termos do artigo 269, inciso I, do
Código de Processo Civil.

Inconformado com a negativa ao seu pedido, ele apelou, mas o colegiado negou provimento ao recurso.

Em seu voto, o desembargador Samuel Júnior, relator da apelação, ratificou a hipótese de culpa do motorista no acidente. “No caso, incontroverso que o acidente na estrada causado pela ultrapassagem de outro veículo não decorreu da culpa da requerida, mas, sim, da imprudência dos motoristas envolvidos.” Com essa fundamentação, manteve a sentença de improcedência da ação.

A decisão, unânime, contou ainda com a participação dos desembargadores Vera Angrisani e José Luiz Germano.


Apelação nº 0000018.18-2004.8.26.0572


Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Distância mínima necessária para parar um veículo com base no tempo de reação e na velocidade do veículo.

OAB Campinas empossa novo Presidente e Vice-presidente da Comissão de Direito Securitário.

Ricardo Paracêncio e Graziela Vellasco foram convidados para assumir os cargos de Presidente e Vice-presidente, respectivamente, da Comissão do Direito Securitário. Para Ricardo, a experiência será de muita responsabilidade. "Sinto-me muito horando pelo convite feito pela Diretoria da OAB Campinas para à Presidência da Comissão de Direito Securitário. Sei do tamanho do desafio e da responsabilidade, já que faremos parte de uma das maiores e mais antigas subseções do país. A proposta de trabalho no próximo triênio é promover o debate e principalmente o estudo sobre questões securitárias atuais e relevantes, disseminando o seguro não só aos estudiosos do direito. Agradeço ao Presidente Dr. Daniel Blikstein e ao Secretário Geral Dr. Paulo Braga pela oportunidade e confiança."  Para a advogada Graziela, a oportunidade é um excelente desafio profisional. "A minha nomeação para a vice-presidência da Comissão de Direito Securitário foi uma honra imensurável, agradeço ao presid…

Irmão deve pagar aluguel a outro por uso de imóvel herdado dos pais

Réu e família residem no local.

A 10ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão que condenou homem e sua família a pagarem aluguel ao irmão deste por utilizar, exclusivamente, bem imóvel herdado após a morte dos pais deles. Os réus deverão arcar com aluguel estimado em R$ 5,5 mil, na proporção de 1/5 (R$ 1,1 mil), com termo inicial de vigência fixado na data de citação das partes.
Consta nos autos que o autor ajuizou ação de arbitramento de aluguel cumulado com cobrança contra o irmão, a esposa e o cunhado, que residem numa propriedade partilhada pela família e herdada após a morte dos genitores dos irmãos. Ele afirma que os réus vêm criando empecilhos para a venda do bem, que está com o IPTU atrasado, e pede alienação do imóvel e pagamento de aluguel pelo uso exclusivo do bem. Os réus, por sua vez, afirmam que residem no local desde antes do falecimento dos genitores e que nunca impediram o usufruto por parte do autor da ação. Alegam, ainda, que to…