Pular para o conteúdo principal

Motorista que capotou carro tem negado pedido de indenização.

O capotamento de um veículo após ultrapassagem em trecho da rodovia Anhanguera sem ‘guard rail’ não gerou indenização ao motorista. Esse foi o entendimento da 2ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento realizado nessa terça-feira (28).

De acordo com o pedido, André Luiz Pinheiro de Carvalho propôs ação de indenização por danos morais e materiais contra a Via Norte, concessionária que administra a rodovia, porque, em abril de 2003, trafegava pelo 387 km quando, ao ser ultrapassado, teve seu veículo fechado, obrigando-o a realizar manobra que resultou no capotamento. No acidente, todos os passageiros foram projetados fora do carro.

Sob alegação de conduzir o veículo em velocidade compatível ao local do acidente, pleiteou a indenização, atribuindo a culpa à empresa, uma vez que, segundo ele, a existência de ‘guard rail’ no local evitaria dano maior.

De acordo com o juiz Alexandre Semedo de Oliveira, da 1ª Vara Judicial da Comarca de São Joaquim da Barra, o pedido não procede. “A prova dos autos não demonstra a necessidade de tal aparato (guard rail) no local do acidente. A bem da verdade, percebe-se que a pista no local é dotada de grande área de escape. Assim, não é crível que, caso o autor estivesse em velocidade compatível com o local (60 km/h), viesse ele a perder o controle de seu veículo com a capotagem”, fundamentou o magistrado.

Ainda segundo a sentença, a dinâmica do acidente leva à presunção que o motorista trafegava acima do limite permitido e que cabia a ele provar o contrário. “Não a provando, a presunção se mantém firme, impondo a conclusão de que o acidente ocorreu por imprudência do próprio autor e não por ausência de ‘defensas’ no local.” Com base nessas considerações, o magistrado julgou improcedente o pedido e extinguiu o feito com resolução de mérito nos termos do artigo 269, inciso I, do
Código de Processo Civil.

Inconformado com a negativa ao seu pedido, ele apelou, mas o colegiado negou provimento ao recurso.

Em seu voto, o desembargador Samuel Júnior, relator da apelação, ratificou a hipótese de culpa do motorista no acidente. “No caso, incontroverso que o acidente na estrada causado pela ultrapassagem de outro veículo não decorreu da culpa da requerida, mas, sim, da imprudência dos motoristas envolvidos.” Com essa fundamentação, manteve a sentença de improcedência da ação.

A decisão, unânime, contou ainda com a participação dos desembargadores Vera Angrisani e José Luiz Germano.


Apelação nº 0000018.18-2004.8.26.0572


Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STJ aprova sumula 405 pacificando o entendimento sobre o prazo prescricional de 3 anos para demanda do seguro DPVAT.

Súmula da Segunda Seção trata do prazo prescricional de 3 anos para pedir a indenização do seguro DPVAT na Justiça Em decisão unânime, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça aprovou mais uma súmula. O verbete de nº 405 trata do prazo para entrar com ação judicial cobrando o DPVAT. A nova súmula recebeu a seguinte redação: A ação de cobrança do seguro obrigatório (DPVAT) prescreve em três anos. No precedente mais recente a embasar a nova súmula, os ministros da Seção concluíram que o DPVAT (seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres) tem caráter de seguro de responsabilidade civil, dessa forma a ação de cobrança de beneficiário da cobertura prescreve em três anos. O relator, ministro Luis Felipe Salomão, votou no sentido que o DPVAT teria finalidade eminentemente social, de garantia de compensação pelos danos pessoais de vítimas de acidentes com veículos automotores. Por isso, diferentemente dos seguros de responsab…

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…