Pular para o conteúdo principal

Acidente em Praia Grande não dá direito de indenização a motorista.

A 2ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo negou pedido de indenização por danos materiais a Werner Schleich Alves de Figueiredo em decorrência de um acidente de trânsito que sofreu em Praia Grande. 

Figueiredo alegou que um carro que seguia à frente do seu fez um desvio abrupto e que, em seguida, deparou-se com um cone de sinalização e um bueiro aberto. Como não conseguiu desviar, caiu no buraco, perdeu o controle da direção e colidiu com a traseira de um ônibus que estava parado no ponto. Figueiredo entendeu que o município é responsável pelos danos materiais sofridos, em decorrência da ausência de medidas para tapar o referido bueiro.

A decisão da Vara da Fazenda Pública de Praia Grande julgou a ação improcedente. De acordo com o texto da sentença, “não precisa ser perito criminal para ver que a forma como o veículo do autor colidiu com a traseira do ônibus indica que ele desenvolvia velocidade incompatível com o local, pois a frente do carro praticamente desapareceu embaixo do coletivo. Outro dado importante é que o autor mencionou que perdeu o controle após cair no buraco aberto, mas as fotografias indicam que a sinalização estava intacta, tanto o gigantesco cone, como o cavalete de madeira, o que desmente sua versão de que caiu primeiro no buraco antes de colidir com o ônibus”.

Para o relator do processo, desembargador Samuel Júnior, o acidente automobilístico não foi decorrência de culpa ou omissão do município, mas por culpa exclusiva da vítima. “A responsabilidade civil do Estado só ocorrerá quando se tratar de omissão, a partir do momento em que estejam presentes os elementos que caracterizam a culpa. Depreende-se das fotografias juntadas aos autos que o bueiro aberto na via pública estava bem sinalizado, havendo cavalete e tambor plástico, próprios para sinalização de trânsito.

Se o condutor do veículo desrespeitou a devida distância regulamentar de segurança do carro à sua frente, de modo a não conseguir desviar do bueiro, não pode atribuir à municipalidade a responsabilidade pelos danos sofridos. Portanto, inexistindo nexo causal entre a omissão da apelada e o dano sofrido, a responsabilidade civil não restou configurada.”, concluiu.

 Os desembargadores Vera Angrisani e José Luiz Germano também participaram do julgamento e acompanharam o voto do relator, negando provimento ao recurso.

Apelação nº 0008534-79.2008.8.26.0477

Assessoria de Imprensa TJSP – AG (texto) / AC (foto)
imprensatj@tjsp.jus.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Distância mínima necessária para parar um veículo com base no tempo de reação e na velocidade do veículo.

OAB Campinas empossa novo Presidente e Vice-presidente da Comissão de Direito Securitário.

Ricardo Paracêncio e Graziela Vellasco foram convidados para assumir os cargos de Presidente e Vice-presidente, respectivamente, da Comissão do Direito Securitário. Para Ricardo, a experiência será de muita responsabilidade. "Sinto-me muito horando pelo convite feito pela Diretoria da OAB Campinas para à Presidência da Comissão de Direito Securitário. Sei do tamanho do desafio e da responsabilidade, já que faremos parte de uma das maiores e mais antigas subseções do país. A proposta de trabalho no próximo triênio é promover o debate e principalmente o estudo sobre questões securitárias atuais e relevantes, disseminando o seguro não só aos estudiosos do direito. Agradeço ao Presidente Dr. Daniel Blikstein e ao Secretário Geral Dr. Paulo Braga pela oportunidade e confiança."  Para a advogada Graziela, a oportunidade é um excelente desafio profisional. "A minha nomeação para a vice-presidência da Comissão de Direito Securitário foi uma honra imensurável, agradeço ao presid…

Irmão deve pagar aluguel a outro por uso de imóvel herdado dos pais

Réu e família residem no local.

A 10ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão que condenou homem e sua família a pagarem aluguel ao irmão deste por utilizar, exclusivamente, bem imóvel herdado após a morte dos pais deles. Os réus deverão arcar com aluguel estimado em R$ 5,5 mil, na proporção de 1/5 (R$ 1,1 mil), com termo inicial de vigência fixado na data de citação das partes.
Consta nos autos que o autor ajuizou ação de arbitramento de aluguel cumulado com cobrança contra o irmão, a esposa e o cunhado, que residem numa propriedade partilhada pela família e herdada após a morte dos genitores dos irmãos. Ele afirma que os réus vêm criando empecilhos para a venda do bem, que está com o IPTU atrasado, e pede alienação do imóvel e pagamento de aluguel pelo uso exclusivo do bem. Os réus, por sua vez, afirmam que residem no local desde antes do falecimento dos genitores e que nunca impediram o usufruto por parte do autor da ação. Alegam, ainda, que to…