Pular para o conteúdo principal

60% das indenizações pagas têm envolvimento de motos.

Os motociclistas continuam vilões do trânsito no País, segundo estatísticas recém-divulgadas pela Seguradora Líder, responsável pela administração do seguro obrigatório de veículos automotores. Em 2010, as vítimas envolvidas em acidentes automotivos provocados por motos responderam por mais de 60% das indenizações pagas.

O montante chegou a cerca de R$ 1,377 bilhão do total de R$ 2,296 bilhões desembolsados para cobrir os danos pessoais causados pela violência do trânsito. Os números revelam ainda que a vítima é o próprio motociclista, em 69,1% dos acidentes com veículos de duas rodas.

Os dados da seguradora mostram que as motocicletas lideram também as estatísticas de invalidez permanente e de reembolso de despesas de assistência médico-hospitalar, embora representem apenas 26,4% da frota de veículos nacional.

No ano passado, o seguro registrou mais de 252 mil indenizações pagas no Brasil, sendo que 50.780 relativas a mortes e 151.558 por invalidez permanente, além de 50.013 reembolsos de despesas médico-hospitalares.

Em valores, as indenizações de 2010 subiram 12,9% sobre 2009. Já a receita cresceu 7,5%, para R$ 2,871 bilhões, segundo a Superintendência de Seguros Privados (Susep).

SEM INTERMEDIAÇÃO. Presidente da Seguradora Líder, Ricardo Xavier lembra que o procedimento para o recebimento do seguro pelas vítimas de trânsito é simples e alerta para o fato de que não é necessário intermediário para dar entrada no pedido de indenização. "Ninguém melhor que o próprio cidadão para preservar seus direitos. Há seguradoras em todo o Brasil para receber as vítimas de trânsito," conta.

Comentários

  1. Estes números são um alerta para todos que utilizam motos. O dpvat apesar de sua importância na cobertura das despesas imediatas decorrentes de acidentes no transito, normalmente não é suficiente para que as vítimas de acidentes de trânsito com sequelas permanentes possam levar uma vida digna, sem ficar a mercê do auxilio de parentes ou de programas assistenciais.

    Já possível se prevenir a baixo custo dos principais eventos do trânsito, Morte e Invalidez. Temos no mercado, produtos que o cliente pode contratar através da internet no conforto do seu lar e ainda contar com a assistência especializada de um corretor a sua disposição, com capitais segurados de até 100.000,00 o que é praticamente 8 vezes maior que o valor pago pelo Dpvat (13.500,00), em caso de invalidez e ainda inclui serviço de assistência funeral individual ou familiar.

    Não basta ter seguro, é preciso que este, esteja dimensionado à realidade econômica das pessoas.

    O estado fez a parte dele ao instituir um seguro obrigatório.

    Mas é necessário que as pessoas tenham consciência que o Dpvat é um seguro com caráter social, que visa a cobertura das despesas mais imediatas decorrentes de acidentes de trânsito.

    Assim, para quem circula de motocicleta, recomendo no mínimo uma cobertura adicional com seguro de acidentes pessoais ( Morte e Invalidez total ou parcial por acidente), isso pode fazer toda a diferença para o segurado ou para sua família.

    Em verdade um seguro de acidentes pessoais é o mínimo que qualquer cidadão deveria considerar, afinal quem de nós pode se considerar isento dos riscos inerentes a qualquer atividade humana?

    Carlito de Souza
    Corretor de Seguros
    www.clubeinvestvida.com.br
    Blumenau-SC

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Carlito pela sua colaboração. A suas colocações são muito importantes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

STJ aprova sumula 405 pacificando o entendimento sobre o prazo prescricional de 3 anos para demanda do seguro DPVAT.

Súmula da Segunda Seção trata do prazo prescricional de 3 anos para pedir a indenização do seguro DPVAT na Justiça Em decisão unânime, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça aprovou mais uma súmula. O verbete de nº 405 trata do prazo para entrar com ação judicial cobrando o DPVAT. A nova súmula recebeu a seguinte redação: A ação de cobrança do seguro obrigatório (DPVAT) prescreve em três anos. No precedente mais recente a embasar a nova súmula, os ministros da Seção concluíram que o DPVAT (seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres) tem caráter de seguro de responsabilidade civil, dessa forma a ação de cobrança de beneficiário da cobertura prescreve em três anos. O relator, ministro Luis Felipe Salomão, votou no sentido que o DPVAT teria finalidade eminentemente social, de garantia de compensação pelos danos pessoais de vítimas de acidentes com veículos automotores. Por isso, diferentemente dos seguros de responsab…

Confirmada validade de penhora de salário para pagamento de aluguéis atrasados.

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu manter decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que determinou a penhora de dez por cento do salário do locatário para pagamento de aluguéis atrasados há mais de uma década e respectivos encargos. A decisão foi unânime. Após a decisão judicial que determinou a penhora de parte de seu salário, o locatário defendeu por meio de recurso especial a impossibilidade de penhora do salário para o pagamento de verba de natureza não alimentar. Segundo o recorrente, o bloqueio de parte de sua fonte de renda compromete sua existência e de sua família, já que sua remuneração é essencial para a manutenção da unidade familiar. A ministra relatora, Nancy Andrighi, confirmou inicialmente que a garantia da impenhorabilidade de rendimentos constitui uma limitação aos meios executivos que garantem o direito do credor, fundada na necessidade de se preservar o patrimônio indispensável à vida digna do devedor. Vertentes da dignidade Ent…

Segunda Seção aprova súmula sobre indenização securitária.

A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) aprovou uma nova súmula no campo do direito privado.

Os enunciados sumulares são o resumo de entendimentos consolidados nos julgamentos do tribunal e servem de orientação a toda a comunidade jurídica sobre a sua jurisprudência.

Súmula 616: “A indenização securitária é devida quando ausente a comunicação prévia do segurado acerca do atraso no pagamento do prêmio, por constituir requisito essencial para a suspensão ou resolução do contrato de seguro.”

A súmula será publicada no Diário da Justiça Eletrônico, por três vezes, em datas próximas, nos termos do artigo 123 do Regimento Interno do STJ.
Fonte:http://www.stj.jus.br/