Pular para o conteúdo principal

60% das indenizações pagas têm envolvimento de motos.

Os motociclistas continuam vilões do trânsito no País, segundo estatísticas recém-divulgadas pela Seguradora Líder, responsável pela administração do seguro obrigatório de veículos automotores. Em 2010, as vítimas envolvidas em acidentes automotivos provocados por motos responderam por mais de 60% das indenizações pagas.

O montante chegou a cerca de R$ 1,377 bilhão do total de R$ 2,296 bilhões desembolsados para cobrir os danos pessoais causados pela violência do trânsito. Os números revelam ainda que a vítima é o próprio motociclista, em 69,1% dos acidentes com veículos de duas rodas.

Os dados da seguradora mostram que as motocicletas lideram também as estatísticas de invalidez permanente e de reembolso de despesas de assistência médico-hospitalar, embora representem apenas 26,4% da frota de veículos nacional.

No ano passado, o seguro registrou mais de 252 mil indenizações pagas no Brasil, sendo que 50.780 relativas a mortes e 151.558 por invalidez permanente, além de 50.013 reembolsos de despesas médico-hospitalares.

Em valores, as indenizações de 2010 subiram 12,9% sobre 2009. Já a receita cresceu 7,5%, para R$ 2,871 bilhões, segundo a Superintendência de Seguros Privados (Susep).

SEM INTERMEDIAÇÃO. Presidente da Seguradora Líder, Ricardo Xavier lembra que o procedimento para o recebimento do seguro pelas vítimas de trânsito é simples e alerta para o fato de que não é necessário intermediário para dar entrada no pedido de indenização. "Ninguém melhor que o próprio cidadão para preservar seus direitos. Há seguradoras em todo o Brasil para receber as vítimas de trânsito," conta.

Comentários

  1. Estes números são um alerta para todos que utilizam motos. O dpvat apesar de sua importância na cobertura das despesas imediatas decorrentes de acidentes no transito, normalmente não é suficiente para que as vítimas de acidentes de trânsito com sequelas permanentes possam levar uma vida digna, sem ficar a mercê do auxilio de parentes ou de programas assistenciais.

    Já possível se prevenir a baixo custo dos principais eventos do trânsito, Morte e Invalidez. Temos no mercado, produtos que o cliente pode contratar através da internet no conforto do seu lar e ainda contar com a assistência especializada de um corretor a sua disposição, com capitais segurados de até 100.000,00 o que é praticamente 8 vezes maior que o valor pago pelo Dpvat (13.500,00), em caso de invalidez e ainda inclui serviço de assistência funeral individual ou familiar.

    Não basta ter seguro, é preciso que este, esteja dimensionado à realidade econômica das pessoas.

    O estado fez a parte dele ao instituir um seguro obrigatório.

    Mas é necessário que as pessoas tenham consciência que o Dpvat é um seguro com caráter social, que visa a cobertura das despesas mais imediatas decorrentes de acidentes de trânsito.

    Assim, para quem circula de motocicleta, recomendo no mínimo uma cobertura adicional com seguro de acidentes pessoais ( Morte e Invalidez total ou parcial por acidente), isso pode fazer toda a diferença para o segurado ou para sua família.

    Em verdade um seguro de acidentes pessoais é o mínimo que qualquer cidadão deveria considerar, afinal quem de nós pode se considerar isento dos riscos inerentes a qualquer atividade humana?

    Carlito de Souza
    Corretor de Seguros
    www.clubeinvestvida.com.br
    Blumenau-SC

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Carlito pela sua colaboração. A suas colocações são muito importantes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…

Contrato de Seguro e o CDC.

Importante dizer que o contrato de seguro é um contrato típico e regulado pelo Código Civil, artigos 757 a 802.  Contudo, o contrato de seguro está sob a égide do Código de Defesa do Consumidor, de acordo com o artigo 3º § 2°, onde diz "serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária..." Assim, não temos dúvida de que o segurado está amparado pelo Código de Defesa do Consumidor, mas é importante dizer que o segurado é obrigado a mais estrita boa-fé na contratação do seguro, tanto na fase pré-contratual (proposta) como na fase contratual.  Sabe porque ?  A seguradora com base nas informações prestadas pelo segurado vai avaliar o risco, estabelecer a taxação do prêmio e emitir a apólice de seguro com determinadas coberturas e, eventualmente, determinadas exclusões de risco.  Importante ressaltar que a seguradora recebendo a proposta e avaliando o risco, ela pode se negar a fa…