Pular para o conteúdo principal

Reajuste Seguro Obrigatório DPVAT 2011.

Devido ao aumento do número de acidentes que ocorreram durante todo o ano, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) determinou o reajuste do seguro obrigatório para veículos DPVAT, que deve ser pago em 2011. O seguro que já é previsto em lei desde 1974, é utilizado para pagar indenizações a vítimas de acidentes de trânsito que são causados por veículos motorizados circulantes por terra ou por asfalto.

Para automóveis e utilitários, o reajuste será de 7,83%, dessa forma o valor a ser pago passará de R$ 89,61 para R$ 96,63. O valor final inclui ainda uma taxa de cobrança da apólice ou do bilhete do DPVAT e o Imposto de Operações Financeiras – IOF no valor de R$ 4,15, totalizando um custo de R$ 101,16 para os motoristas da categoria. No caso de motocicletas, ciclomotores, motonetas e triciclos a taxa de aumento será de 7,82%, portanto o valor a ser pago por proprietários de veículos desta classe será R$ 279,27.

Para micro-ônibus e ônibus o reajuste foi ainda maior, sendo cobrado 15,04% a mais o que totalizará em R$ 247,42, incluindo todas as outras tarifas. A categoria de caminhões e caminhonetes passará a pagar R$ 105,68, após o reajuste previsto de 7,82%.

O DPVAT é pago anualmente juntamente com o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), que está diretamente relacionado com o preço e a valorização dos veículos do mercado e com as alíquotas estabelecidas e cobradas pelo órgão responsável. De acordo com o CNSP, o seguro não é aumentado há dois anos, apesar de o número de acidentes estar crescendo cada vez mais, justificando o aumento previsto e já divulgado pelo órgão.

Em alguns estados do país o IPVA será reduzido por conta da redução das taxas incidentes, entretanto o contribuinte não notará esta redução na conta final, uma vez que terá que desembolsar mais para pagar o DPVAT.


Fonte.: http://resumododia.com/reajuste-seguro-obrigatorio-dpvat-2011.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…

Contrato de Seguro e o CDC.

Importante dizer que o contrato de seguro é um contrato típico e regulado pelo Código Civil, artigos 757 a 802.  Contudo, o contrato de seguro está sob a égide do Código de Defesa do Consumidor, de acordo com o artigo 3º § 2°, onde diz "serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária..." Assim, não temos dúvida de que o segurado está amparado pelo Código de Defesa do Consumidor, mas é importante dizer que o segurado é obrigado a mais estrita boa-fé na contratação do seguro, tanto na fase pré-contratual (proposta) como na fase contratual.  Sabe porque ?  A seguradora com base nas informações prestadas pelo segurado vai avaliar o risco, estabelecer a taxação do prêmio e emitir a apólice de seguro com determinadas coberturas e, eventualmente, determinadas exclusões de risco.  Importante ressaltar que a seguradora recebendo a proposta e avaliando o risco, ela pode se negar a fa…