Pular para o conteúdo principal

Caminhões estão envolvidos em 25% dos acidentes nas estradas.

A cada quatro acidentes em estradas, um caminhão está envolvido. O JH ensina qual a velocidade e a distância corretas, além de truques para uma ultrapassagem segura durante a viagem.

Caminhões e carretas cada vez maiores e mais potentes e motoristas a passeio apressados. Combinação de alto risco. “Tem alguns caminhoneiros meio distraídos”, comenta o motorista do carro. Para quem dirige a carreta, a opinião é diferente. “Eles andam muito colados, muito próximo da traseira do caminhão.”

A distância mínima ideal é de dois segundos ou cerca de 50 metros do veículo da frente. O suficiente para se fazer uma frenagem de emergência.

Evite ficar atrás de caminhões e carretas. Muitas vezes o caminhoneiro dá uma ajuda, como Rodrick Dias de Souza. Ele ensina alguns códigos:

- Seta para a direita é caminho livre;

- Luz esquerda piscando: espere.

O perito de trânsito, Paulo Ademar, dá mais dicas:

- A velocidade do carro deve estar sempre 20 quilômetros por hora a mais que da carreta e você vai precisar de, no mínimo, 250 metros para iniciar e concluir uma ultrapassagem segura. “O ideal é quando você está num carro mil, você faça a opção de ultrapassar somente nas descidas. O caminhoneiro tem uma limitação da velocidade dada pelo tacógrafo e ele vai colocar o pé no freio.”

- Concluída a ultrapassagem nunca pare o carro bruscamente. “Uma carreta carregada gasta no mínimo 200 metros pra poder parar a uma velocidade de 80 quilômetros por hora”, completa Rodrick.

- A ultrapassagem é sempre mais arriscada em curvas para a direita por causa do chamado ‘ponto cego de visão’. Em locais assim o motorista de carro de passeio fica mais exposto ao risco por não conseguir enxergar o que o espera alguns metros a frente.

- Na curva aberta à esquerda a manobra é mais tranquila. “Se aquele carro branco começa a fazer uma ultrapassagem ele tem visibilidade a partir daquele ponto de tudo que ta acontecendo no sentido contrário.”

Na chuva, fique atento a mais duas situações:

- As rodas dos caminhões jogam muita água no para-brisa de quem vem atrás, atrapalhando a visibilidade na hora da aproximação para a ultrapassagem.

- Cuidado também com o excesso de água na pista. “Carro mais pesado não aquaplana, mas o carro menor vai aquaplanar. Pode ser que você venha a perder o contato do pneu com o piso e você ficar sem dirigibilidade. Se for curva pra direita, você vai pra contramão e pode morrer.”

http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2010/11/caminhoes-estao-envolvidos-em-25-dos-acidentes-nas-estradas.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…

Contrato de Seguro e o CDC.

Importante dizer que o contrato de seguro é um contrato típico e regulado pelo Código Civil, artigos 757 a 802.  Contudo, o contrato de seguro está sob a égide do Código de Defesa do Consumidor, de acordo com o artigo 3º § 2°, onde diz "serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária..." Assim, não temos dúvida de que o segurado está amparado pelo Código de Defesa do Consumidor, mas é importante dizer que o segurado é obrigado a mais estrita boa-fé na contratação do seguro, tanto na fase pré-contratual (proposta) como na fase contratual.  Sabe porque ?  A seguradora com base nas informações prestadas pelo segurado vai avaliar o risco, estabelecer a taxação do prêmio e emitir a apólice de seguro com determinadas coberturas e, eventualmente, determinadas exclusões de risco.  Importante ressaltar que a seguradora recebendo a proposta e avaliando o risco, ela pode se negar a fa…