Pular para o conteúdo principal

Caminhões estão envolvidos em 25% dos acidentes nas estradas.

A cada quatro acidentes em estradas, um caminhão está envolvido. O JH ensina qual a velocidade e a distância corretas, além de truques para uma ultrapassagem segura durante a viagem.

Caminhões e carretas cada vez maiores e mais potentes e motoristas a passeio apressados. Combinação de alto risco. “Tem alguns caminhoneiros meio distraídos”, comenta o motorista do carro. Para quem dirige a carreta, a opinião é diferente. “Eles andam muito colados, muito próximo da traseira do caminhão.”

A distância mínima ideal é de dois segundos ou cerca de 50 metros do veículo da frente. O suficiente para se fazer uma frenagem de emergência.

Evite ficar atrás de caminhões e carretas. Muitas vezes o caminhoneiro dá uma ajuda, como Rodrick Dias de Souza. Ele ensina alguns códigos:

- Seta para a direita é caminho livre;

- Luz esquerda piscando: espere.

O perito de trânsito, Paulo Ademar, dá mais dicas:

- A velocidade do carro deve estar sempre 20 quilômetros por hora a mais que da carreta e você vai precisar de, no mínimo, 250 metros para iniciar e concluir uma ultrapassagem segura. “O ideal é quando você está num carro mil, você faça a opção de ultrapassar somente nas descidas. O caminhoneiro tem uma limitação da velocidade dada pelo tacógrafo e ele vai colocar o pé no freio.”

- Concluída a ultrapassagem nunca pare o carro bruscamente. “Uma carreta carregada gasta no mínimo 200 metros pra poder parar a uma velocidade de 80 quilômetros por hora”, completa Rodrick.

- A ultrapassagem é sempre mais arriscada em curvas para a direita por causa do chamado ‘ponto cego de visão’. Em locais assim o motorista de carro de passeio fica mais exposto ao risco por não conseguir enxergar o que o espera alguns metros a frente.

- Na curva aberta à esquerda a manobra é mais tranquila. “Se aquele carro branco começa a fazer uma ultrapassagem ele tem visibilidade a partir daquele ponto de tudo que ta acontecendo no sentido contrário.”

Na chuva, fique atento a mais duas situações:

- As rodas dos caminhões jogam muita água no para-brisa de quem vem atrás, atrapalhando a visibilidade na hora da aproximação para a ultrapassagem.

- Cuidado também com o excesso de água na pista. “Carro mais pesado não aquaplana, mas o carro menor vai aquaplanar. Pode ser que você venha a perder o contato do pneu com o piso e você ficar sem dirigibilidade. Se for curva pra direita, você vai pra contramão e pode morrer.”

http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2010/11/caminhoes-estao-envolvidos-em-25-dos-acidentes-nas-estradas.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STJ aprova sumula 405 pacificando o entendimento sobre o prazo prescricional de 3 anos para demanda do seguro DPVAT.

Súmula da Segunda Seção trata do prazo prescricional de 3 anos para pedir a indenização do seguro DPVAT na Justiça Em decisão unânime, a Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça aprovou mais uma súmula. O verbete de nº 405 trata do prazo para entrar com ação judicial cobrando o DPVAT. A nova súmula recebeu a seguinte redação: A ação de cobrança do seguro obrigatório (DPVAT) prescreve em três anos. No precedente mais recente a embasar a nova súmula, os ministros da Seção concluíram que o DPVAT (seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres) tem caráter de seguro de responsabilidade civil, dessa forma a ação de cobrança de beneficiário da cobertura prescreve em três anos. O relator, ministro Luis Felipe Salomão, votou no sentido que o DPVAT teria finalidade eminentemente social, de garantia de compensação pelos danos pessoais de vítimas de acidentes com veículos automotores. Por isso, diferentemente dos seguros de responsab…

Confirmada validade de penhora de salário para pagamento de aluguéis atrasados.

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu manter decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que determinou a penhora de dez por cento do salário do locatário para pagamento de aluguéis atrasados há mais de uma década e respectivos encargos. A decisão foi unânime. Após a decisão judicial que determinou a penhora de parte de seu salário, o locatário defendeu por meio de recurso especial a impossibilidade de penhora do salário para o pagamento de verba de natureza não alimentar. Segundo o recorrente, o bloqueio de parte de sua fonte de renda compromete sua existência e de sua família, já que sua remuneração é essencial para a manutenção da unidade familiar. A ministra relatora, Nancy Andrighi, confirmou inicialmente que a garantia da impenhorabilidade de rendimentos constitui uma limitação aos meios executivos que garantem o direito do credor, fundada na necessidade de se preservar o patrimônio indispensável à vida digna do devedor. Vertentes da dignidade Ent…

Segunda Seção aprova súmula sobre indenização securitária.

A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) aprovou uma nova súmula no campo do direito privado.

Os enunciados sumulares são o resumo de entendimentos consolidados nos julgamentos do tribunal e servem de orientação a toda a comunidade jurídica sobre a sua jurisprudência.

Súmula 616: “A indenização securitária é devida quando ausente a comunicação prévia do segurado acerca do atraso no pagamento do prêmio, por constituir requisito essencial para a suspensão ou resolução do contrato de seguro.”

A súmula será publicada no Diário da Justiça Eletrônico, por três vezes, em datas próximas, nos termos do artigo 123 do Regimento Interno do STJ.
Fonte:http://www.stj.jus.br/