Pular para o conteúdo principal

Profissional autônomo pode fazer seguro para garantir renda mensal.

Itaú Unibanco lança produto no mercado brasileiro que paga diárias de até R$ 800 em caso de acidente ou doença.

Para o profissional autônomo, deixar de trabalhar um dia é sinônimo de salário menor no fim do mês. A causa da ausência não importa. O ganha pão só depende dele. De olho nesse mercado, o Itaú Unibanco é o primeiro dos grandes bancos brasileiros a lançar um seguro de "renda protegida".

Com contribuições mínimas de R$ 30, os profissionais liberais têm como garantia, além do comum seguro de vida, diárias de R$ 800 (no máximo, de acordo com o plano acertado no contrato). O pagamento só ocorre em caso de acidente ou doença ocorrida com o segurado.

"Desenvolvemos esse produto justamente para proteger ou manter a estabilidade financeira do segurado, pagando diárias de acordo com o valor contratado", diz Luiz Butori, diretor de Pessoa Física da Itaú Seguros.
Interesse. A empresária gaúcha Nilce Maria Bettoni Nobre, de 48 anos, foi uma das primeiras clientes do Itaú Unibanco a aderir ao produto. "Tenho uma relação próxima com meu gerente. Assim que ele me informou que esse produto existia, eu contratei", conta.

Nilce é dona, ao lado de seu marido Manoel, de uma pizzaria e de uma confecção, que produz roupas de cama, mesa e banho, em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul. Ela é a responsável pela administração da pizzaria e ele, pela confecção. "Não há quem nos substitua, por isso achei esse negócio de pagar diária pela ausência muito interessante", conta.

Em seu caso, a contribuição mensal é de R$ 134 e a diária paga pelo banco, em caso de doença ou acidente, é de quase R$ 600. "Quando cheguei em casa e contei para o meu marido sobre o produto, ele foi ao banco e fez um igual."

Divulgação. Butori afirma que o boca a boca é a principal aposta do banco para a disseminação do produto. "Lançamos há poucas semanas e o volume de adesão é impressionante", conta, mas sem precisar o número de contratos já acertados.

No Brasil, a cultura do seguro ainda é pouco difundida. Basicamente, o produto desta linha que mais tem sucesso é o de automóveis. Para se ter uma ideia do potencial de crescimento, a participação do setor no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro foi de 3% em 2009. Nos Estados Unidos, o volume representou quase 9% das riquezas. Na África do Sul, o segmento foi responsável por 15% do PIB no ano passado.
"Fazer um seguro é uma escolha importante para um bom planejamento financeiro. Ao contratar a melhor opção para seu perfil, o cliente pode se precaver em relação ao risco que impacte mais seu orçamento e sua sustentabilidade financeira", afirma Butori. "É importante, por outro lado, que o segurado observe as condições de contrato e entenda se elas atendem às suas necessidades.

Do total de seguros oferecidos pelo mercado nacional, 35% dos vendidos são para carros; 22% de vida; 20% de saúde; e os outros 23% são pulverizados entre as dezenas de modalidades oferecidas.

Edson Jardim, diretor da consultoria atuarial Triaxes, salienta a importância de se criar a cultura do seguro no Brasil. Segundo ele, a ideia só será disseminada quando houver a consciência da necessidade de proteção dos bens.

"É preciso entender que você paga um pouco pelo seguro para garantir que aquilo será seu por muitos anos e com boa qualidade", considera Jardim.

LUIZ BUTORI- DIRETOR DE PESSOA FÍSICA DA ITAÚ SEGUROS "Desenvolvemos esse produto justamente para proteger ou manter a estabilidade financeira do profissional autônomo, pagando diárias no caso de ausência no trabalho de acordo com o valor contratado




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TJMG – Montadora indeniza consumidor por defeito em carro.

Empresa não solucionou problema de embreagem em veículo zero quilômetro. A montadora de automóveis F. C. terá que indenizar um consumidor em R$ 15 mil, por danos morais, por um defeito não solucionável em um carro zero quilômetro. A empresa também terá de ressarcir o proprietário, por danos materiais, em valor a ser apurado em liquidação de sentença. A decisão é da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e confirmou sentença da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte. O consumidor ajuizou ação contra a montadora. Ele alegou que em 17 de janeiro de 2012 adquiriu um veículo zero quilômetro da empresa. Em março o carro apresentou problemas, entre eles, “trepidação na embreagem”, que culminou com a troca do conjunto em junho, quando o veículo contava apenas 14.634 quilômetros rodados. Apesar dos reparos, a embreagem continuou a trepidar, obrigando-o a retornar à rede de concessionárias. Como nada foi resolvido na ocasião, ele decidiu propor a ação judicial. A mont…

Contrato de Seguro e o CDC.

Importante dizer que o contrato de seguro é um contrato típico e regulado pelo Código Civil, artigos 757 a 802.  Contudo, o contrato de seguro está sob a égide do Código de Defesa do Consumidor, de acordo com o artigo 3º § 2°, onde diz "serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária..." Assim, não temos dúvida de que o segurado está amparado pelo Código de Defesa do Consumidor, mas é importante dizer que o segurado é obrigado a mais estrita boa-fé na contratação do seguro, tanto na fase pré-contratual (proposta) como na fase contratual.  Sabe porque ?  A seguradora com base nas informações prestadas pelo segurado vai avaliar o risco, estabelecer a taxação do prêmio e emitir a apólice de seguro com determinadas coberturas e, eventualmente, determinadas exclusões de risco.  Importante ressaltar que a seguradora recebendo a proposta e avaliando o risco, ela pode se negar a fa…