Pular para o conteúdo principal

Ultrapassar semáforo indicando a cor amarela configura imprudência.

Ultrapassar o semáforo amarelo configura imprudência. Assim entendeu a 32ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, vejamos;

São Paulo,22 de abril de 2010.
Apelação sem Revisão n°: 992.06.040722-0.
Apelante: Companhia de Saneamento Básico do Estado de São
Paulo - SABESP.
Apelada: Terezinha Maria da Silva.
Ação: Reparação de danos (n° 201.020/02).
Comarca: São Paulo -2a Vara Cível.

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n° 992.06.040722-0, da Comarca de São Paulo, em que é apelante COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SP SABESP sendo apelado TEREZINHA MARIA DA SILVA.
ACORDAM, em 32a Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "DERAM PROVIMENTO AO RECURSO. V. U.", de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão.
O julgamento teve a participação dos Desembargadores RUY COPPOLA (Presidente) e KIOITSI CHICUTA.
Voto n° 4306
Indenização. Acidente de veículo. Condutor que inicia a travessia do cruzamento já com a sinalização semafórica indicando a cor amarela. Imprudência configurada.  Responsabilidade da proprietária do veículo. Sentença reformada. Inversão dos ônus da sucumbência. Recurso provido.
Vistos.
Trata-se de ação de reparação de danos decorrentes de acidente automobilístico, ajuizada por Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP, que a respeitável sentença de fls. 255/256, cujo relatório fica fazendo parte integrante do presente, julgou improcedente.
Irresignada, apela a autora sustentando, em suma, que os documentos acostados à  inicial, notadamente o Boletim de Ocorrência lavrado por ocasião dos fatos, são mais que suficientes para a comprovação da culpa do condutor do veículo de propriedade da apelada pelo embate, bem como do nexo causai e dos danos decorrentes do infortúnio. Nesse passo, aduz que a falta de oitiva de suas testemunhas em Juízo em nada prejudica a prova documental inicialmente produzida. Pede, então, a reforma da r.  sentença guerreada, com o total acolhimento da pretensão inicial. Subsidiariamente, pugna pela redução da verba honorária fixada.  O recurso foi recebido no duplo efeito e respondido, batendo-se a apelada pelo improvimento. É o relatório.
Comporta reparo a concisa sentença recorrida.
Narra a autora, na inicial, que o veículo de sua propriedade efetuava o cruzamento quando lhe era favorável a sinalização semafórica, atribuindo a culpa pelo embate ao caminhão de propriedade da ré, o qual desrespeitou o semáforo que apontava a cor vermelha para o seu condutor.
Contrapondo-se a essa versão, sustentou a ré-apelada culpa exclusiva do condutor do outro veículo, este que imprimiu marcha sem se certificar da possibilidade de efetivar o cruzamento com segurança, sendo que o condutor de seu caminhão já havia ingressado na zona de cruzamento quando o semáforo indicou a cor amarela.
O conjunto probatório, ainda que escasso, agasalha a versão ofertada pela apelante ao embate.  Com efeito, no Boletim de Ocorrência, consignou-se que o próprio condutor do  veículo da apelada afirmou, à época, "ter passado no semáforo amarelo, sendo que o vermelho estava  desligado" (fls. 36 verso), informação esta que foi corroborada em Juízo pela testemunha Eduardo da Silva Santos, arrolada pela própria ré, que asseverou: "eu era ajudante do caminhão. O farol estava amarelo e o motorista estava embalado com velocidade e tentou passar" (fls. 236).
Ora, diante dessas narrativas, fica evidenciado que o condutor do caminhão da ré, quando ainda fora da zona de cruzamento, notou que o semáforo indicava a cor amarela e, ainda assim, tentou fazer a travessia, consoante asseverado por "Eduardo".
De outra banda, ainda que o semáforo estivesse com defeito, como alegou o condutor do veículo da ré (fls. 36 verso) - sem que, contudo, exista qualquer elemento de prova a esse respeito -tampouco estaria ele livre de culpa, na medida em que, apercebendo-se desta circunstância, deveria ter redobrado os cuidados antes de efetivar a travessia, e não simplesmente "tentar atravessar" a qualquer custo.
Assim, vislumbra-se imprudência do condutor do veículo da ré ao nitidamente forçar a passagem com a sinalização semafórica na cor "amarela", porquanto só deveria ter prosseguido na travessia do cruzamento acaso já a tivesse iniciado, o que não se logrou comprovar.
Nesse sentido, confira-se o seguinte
julgado: "Age imprudentemente, ante a perfeita previsibilidade das consequências, o motorista que, em cruzamento sinalizado, inicia a travessia da interseção com o sinal passando do verde para o amarelo" (TACRIM-SP AC Rei. Costa Mendes JUTACRIM 40/231).
Logo, reconhecida a responsabilidade da apelada pelo evento danoso, de rigor sua condenação ao pagamento dos valores pleiteados na inicial, eis que não impugnados especificamente, com juros de mora e correção monetária da data do ilícito, a teor da Súmula 54/STJ.
Diante do provimento do recurso, ficam invertidos os ônus da sucumbência, fixados os honorários advocatícios em 10% do valor da condenação, nos termos do art. 20, §3°, do CPC. 
Isto posto, pelo meu voto, dou provimento ao recurso.
WALTER CÉSAR INCONTRI EXNER
RELATOR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Irretroatividade da Lei 13.786/2018 - A lei do Distrato.

A 2ª câmara de Direito Privado do TJ/SP, ao julgar o Recurso de Apelação nº 1012015-48.2018.8.26.0100, assentou em recente decisão que a nova lei do distrato (13.786/18), publicada em dezembro último, deve ser aplicada apenas aos contratos celebrados após a sua vigência, vejamos;

APELAÇÃO. COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA.RESCISÃO CONTRATUAL. RETENÇÃO DE VALORES.Descabimento. Culpa exclusiva da vendedora pela rescisão,ante o atraso na entrega da obra. RESTITUIÇÃO. Devolução integral e imediatados valores pagos. Inteligência da Súmula 543 do C. STJ. Irretroatividade da Lei 13.786/2018, cuja aplicação se restringe aos contratos celebrados após a sua vigência. Observância do ato jurídico perfeito. Sentença mantida. SUCUMBÊNCIA. Fixação de honorários recursais, segundo disposições do art. 85, § 11,CPC/2015. RECURSO NÃO PROVIDO.
A Relatora Rosangela Telles na referida decisão destacou;
“Por oportuno, imperioso esclarecer que, em dezembro de 2018,fora editada a Lei 13.786/2018, alterando disp…

OAB Campinas empossa novo Presidente e Vice-presidente da Comissão de Direito Securitário.

Ricardo Paracêncio e Graziela Vellasco foram convidados para assumir os cargos de Presidente e Vice-presidente, respectivamente, da Comissão do Direito Securitário. Para Ricardo, a experiência será de muita responsabilidade. "Sinto-me muito horando pelo convite feito pela Diretoria da OAB Campinas para à Presidência da Comissão de Direito Securitário. Sei do tamanho do desafio e da responsabilidade, já que faremos parte de uma das maiores e mais antigas subseções do país. A proposta de trabalho no próximo triênio é promover o debate e principalmente o estudo sobre questões securitárias atuais e relevantes, disseminando o seguro não só aos estudiosos do direito. Agradeço ao Presidente Dr. Daniel Blikstein e ao Secretário Geral Dr. Paulo Braga pela oportunidade e confiança."  Para a advogada Graziela, a oportunidade é um excelente desafio profisional. "A minha nomeação para a vice-presidência da Comissão de Direito Securitário foi uma honra imensurável, agradeço ao presid…

Contrato de Seguro e o CDC.

Importante dizer que o contrato de seguro é um contrato típico e regulado pelo Código Civil, artigos 757 a 802.  Contudo, o contrato de seguro está sob a égide do Código de Defesa do Consumidor, de acordo com o artigo 3º § 2°, onde diz "serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária..." Assim, não temos dúvida de que o segurado está amparado pelo Código de Defesa do Consumidor, mas é importante dizer que o segurado é obrigado a mais estrita boa-fé na contratação do seguro, tanto na fase pré-contratual (proposta) como na fase contratual.  Sabe porque ?  A seguradora com base nas informações prestadas pelo segurado vai avaliar o risco, estabelecer a taxação do prêmio e emitir a apólice de seguro com determinadas coberturas e, eventualmente, determinadas exclusões de risco.  Importante ressaltar que a seguradora recebendo a proposta e avaliando o risco, ela pode se negar a fa…